Análise Preliminar de Risco – O que é APR Análise Preliminar de Risco

Conhecida pela sigla APR, a Análise Preliminar de Risco é uma ferramenta eficaz para a identificação de potenciais riscos no ambiente de trabalho.

Partindo da identificação antecipada de elementos e fatores ambientais que representem perigo elevado, analisa, de maneira detalhada, cada uma das etapas do processo, possibilitando assim a escolha das ações mais adequadas para minimizar a possibilidade de acidentes.

A APR é uma das técnicas mais utilizadas atualmente, e devido à sua alta eficácia e pelo envolvimento de diversos profissionais, faz parte do cotidiano tanto de profissionais, como de estudantes do setor de segurança e saúde do trabalho.

Inicialmente usada por militares, hoje a APR é uma técnica que visa à prevenção de acidentes do trabalho através da antecipação dos riscos. Veja a Apresentação abaixo APR – Análise preliminar de risco

O que é Análise Preliminar de Risco – APR

A Análise Preliminar de Risco – APR consiste em um estudo antecipado e detalhado de todas as fases do trabalho a fim de detectar os possíveis problemas que poderão acontecer durante a execução.

Depois de detectado os possíveis acidentes e problemas, devem ser adotados medidas de controle e neutralização, essas medidas devem envolver toda equipe, criando um clima de trabalho seguro em conjunto

Elaboração

Veja os passos de como fazer uma APR.

Para elaborar uma APR eficiente devem ser observados e relatados todos os riscos do ambiente. Para descobrir os riscos podemos usar como base o PPRA, Check lists, ou outros formulários elaborados para tal.

Campos que não que não podem faltar na APR:

Responsáveis: Responsáveis pela aplicação da APR.

Data: Deve ser a data de aplicação da APR.

Nome da empresa:

Tarefa a ser executada:

Riscos do trabalho: Devem ser listado com riqueza de detalhes, afinal a APR (Análise Preliminar de Risco) existe justamente para listar os riscos e a partir dos riscos começamos a processo de neutralização, eliminação ou atenuação.

EPI’s: Descrição dos EPI’s de uso obrigatório durante a realização dos trabalhos.

Equipamentos usados durante o trabalho: Cada equipamento gera um risco específico, e por menor que pareça, merece atenção e deve ser listado. Quanto mais detalhes, mais eficiente será a APR.

Normas de segurança a serem observadas: É importante relatar, tanto para ciência do funcionário quanto para efeito de documentação.

Etapas de trabalho: Cada etapa te seu risco específico e deve ser observado e listado. No campo de descrição das etapas de trabalho cada etapa precisa conter etapa, risco, medidas preventivas a serem observadas, e nível de risco.

Revisão: A cada revisão deve ser alterada a ordem numérica da APR. Sugerimos que deixe um campo para enumerar as revisões da APR, esse campo pode começar com 0, ou 000. No caso de 000 após a primeira revisão ficaria 001, e depois 002 e assim sucessivamente a cada revisão.

Responsáveis pela APR: A equipe de trabalho deve ser envolvida na APR. Normalmente os integrantes do SESMT são os responsáveis pela implantação e gerenciamento da APR. Isso não impede que outros funcionários como os chefes de setores sejam incluídos.

A APR é uma técnica que pode ser aplicada a várias atividades e pode ser usada em conjunto com outras técnicas de avaliação e controle.

Veja a abaixo APR – Análise preliminar de risco

Validade da APR (Análise Preliminar de Risco)

A APR não tem vigência definida ao contrário da Permissão de Trabalho…

Cada empresa pode definir a vigência da APR da forma como preferir. Algumas empresas costumam fazer semanal, outras mensal e por aí vai.

Quem assina a APR

Qualquer profissional que tenha conhecimento em Segurança do Trabalho, por exemplo, o líder de setor pode aplicar e assinar, sem problema algum.

Quem aplica a APR

Qualquer empregado pode emitir a APR, não existe impedimento legal para isso. Porém, é preciso que o emissor tenha conhecimento na área de segurança do trabalho e que conheça também os riscos do ambiente de trabalho. Somente assim a APR pode realmente cumprir sua missão que é levantar riscos e propor medidas preventivas.

Modelo de APR

Não existe um modelo de APR, as  normas não definem um modelo. Sendo assim, cada empresa pode criar e determinar o tipo de APR que melhor atenda as necessidades de segurança da empresa.

A APR proporciona melhoria contínua

O processo de melhoria da APR deve ser contínuo, ela deve ser mutável assim como o ambiente do trabalho é mutável. Sempre que forem observados novos riscos ou situações perigosas no ambiente, elas devem ser inclusas na APR.

Documentar

Na Segurança do Trabalho não basta fazer é preciso documentar! E com a APR não é diferente. A APR deve ser documentada colhendo a assinatura de todos os envolvidos na atividade.

E claro, precisa ser arquivada para consultas posteriores. Assim ela mostrará a linha do tempo dos riscos e das medidas preventivas que a empresa adotou para eliminá-los ou controlá-los.

 

(Visited 95 times, 1 visits today)
Avalie este post
[Total: 1 Average: 5]

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Seja o primeiro a comentar!